Política

Governo federal estuda excluir afastamento por doença de cálculo da aposentadoria

10 de Janeiro de 2019 -Redação Pernambués agora
[Governo federal estuda excluir afastamento por doença de cálculo da aposentadoria]

O governo federal quer endurecer as regras de concessão de benefícios do INSS, mirando, por exemplo, os auxílios-doença

Uma das propostas em estudo é que o tempo que o trabalhador ficar afastado do trabalho por motivo de doença ou acidente deixe de contar como tempo para aposentadoria. As informações são da "Folha de S. Paulo".
O auxílio-doença é um benefício por incapacidade pago ao segurado do INSS que comprove, por meio de perícia médica, estar temporariamente incapaz para o trabalho. Hoje, pelas regras previdenciárias, quando ele se afasta, esse tempo em que ele passa em auxílio-doença deixa de contar como período de contribuição. Ou seja, fica em suspenso. Mas, se o trabalhador volta a contribuir no mês seguinte ao fim do período de afastamento (logo após ter alta do perito do INSS), o tempo em que esteve incapaz passa a ser considerado para fins de aposentadoria.
É neste ponto que o governo poderá fazer mudanças. Hoje, para se aposentar por idade, por exemplo, é preciso ter 60 anos (mulher) ou 65 (homem), além de 15 anos de contribuição (180 meses) para o INSS. Se o segurado passa dois anos em auxílio-doença e volta a trabalhar e a contribuir, esses dois anos de afastamento entram na conta do tempo necessário para pedir a aposentadoria. Ou seja, na prática, se o trabalhador atingir a idade exigida, ele teria que comprovar somente 13 anos de contribuições efetivas.
Com a mudança em estudo, o governo poderá obrigar esse segurado a trabalhar mais dois anos para ter direito ao benefício, totalizando os 15 anos de recolhimento. Essa alteração afetaria, principalmente, as pessoas com menor poder aquisitivo, que são as maiores beneficiárias das aposentadorias por idade.
Para ter direito ao auxílio-doença hoje
Para fazer jus ao auxílio-doença previdenciário é preciso ter, no mínimo, 12 contribuições mensais feitas ao INSS. A exceção é para os casos de doenças graves (tuberculose ativa, hanseníase, alienação mental, neoplasia maligna, cegueira, paralisia irreversível e incapacitante, cardiopatia grave, Parkinson, espondiloartrose anquilosante, nefropatia grave, doença de Paget avançada, Aids, contaminação por radiação e hepatopatia grave). Neste casos, não há carência.
Se o segurado estiver há algum tempo sem contribuir, ele perde a chamada qualidade de segurado. Portanto, para voltar a ter direito ao auxílio-doença, ele precisa cumprir metade da carência de 12 meses a partir da nova filiação à Previdência Social. Ou seja, precisa recolher por mais seis meses.
Se o auxílio-doença é acidentário (acidente ocorrido dentro da empresa ou doença decorrente da atividade profissional), não há exigência de tempo mínimo de contribuição do segurado (carência) para a concessão do benefício.
No caso de o trabalhador ser empregado de uma empresa, o auxílio-doença começa a ser pago pelo INSS a partir do 16º dia de afastamento (após 15 dias corridos ou intercalados dentro do prazo de 60 dias se pela mesma doença).
O valor pago corresponde a 91% da média dos 12 últimos salários.
Diferenças entre os auxílios-doença
No caso do auxílio-doença acidentário, o trabalhador tem direito a estabilidade no emprego período de 12 meses após retorno ao trabalho. Além disso, a empresa é obrigada a depositar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).
No benefício previdenciário, não há estabilidade nem obrigatoriedade de depósito do FGTS pelo empregador.

Comentários

Outras Notícias

[Bolsonaro entregar proposta de reestruturação das carreiras militares]
Política

Bolsonaro entregar proposta de reestruturação das carreiras militares

20 de Março de 2019

O presidente chegou no período da tarde ao Congresso acompanhado pelos ministros da Economia e da Casa Civil para entregar a proposta de reestruturação do sistema de proteção social das Forças Armadas

[Mancini afirma que versão de Jean sobre afastamento do São Paulo é ‘mentirosa’]
Esportes

Mancini afirma que versão de Jean sobre afastamento do São Paulo é ‘mentirosa’

20 de Março de 2019

O técnico interino do São Paulo, Vagner Mancini, afirmou ser “mentirosa” a acusação feita hoje (20) pelo goleiro Jean de que ele estaria tratando o atleta de maneira diferente em relação aos outros jogadores do tricolor paulista

[Aneel quita empréstimo a distribuidoras e luz terá redução de 3,7% em média]
Brasil

Aneel quita empréstimo a distribuidoras e luz terá redução de 3,7% em média

20 de Março de 2019

O empréstimo bilionário com um pool de bancos, feito em 2015 para evitar um reajuste elevado nas contas de luz, terá sua quitação antecipada para o mês de setembro

[Suíca representa a CMS no lançamento de Conselho Municipal dos Direitos Humanos em Salvador]
Justiça

Suíca representa a CMS no lançamento de Conselho Municipal dos Direitos Humanos em Salvador

20 de Março de 2019

O objetivo do CMDH é promover a eficácia das normas vigentes dos direitos humanos, consagrados na Constituição da República Federativa do Brasil

[Fãs de Sandy e Júnior lotam Shopping de Salvador em pré-venda de ingressos]
Bahia

Fãs de Sandy e Júnior lotam Shopping de Salvador em pré-venda de ingressos

20 de Março de 2019

A volta dos irmãos Sandy e Junior a Salvador, está deixando os fãs animados e, em alguns casos, desesperados com a possibilidade de não poder acompanhar a apresentação na cidade

[SindilimpBA reforça defesa de Suíca contra o fim das cotas raciais em universidades]
Bahia

SindilimpBA reforça defesa de Suíca contra o fim das cotas raciais em universidades

20 de Março de 2019

Sinto que esse governo de Bolsonaro e seus aliados estão querendo o retorno do Brasil colônia, não vamos admitir”, completa Suíca