Bahia

Você sabia que o bairro de Pernambués foi território fundado pelos quilombolas do Cabula? Acesse e saiba mais

05 de Dezembro de 2019 -Redação Pernambués agora
[Você sabia que o bairro de Pernambués foi território fundado pelos quilombolas do Cabula? Acesse e saiba mais]

A origem do nome é indígena e o significado é “mar feito à parte” ou “tanque de água”

Cabula e Pernambués são bem próximos, é quase impossível falar do bairro sem citar o Cabula, então vamos lá. De acordo com o pesquisador C.Batista Castro-1936 Cabula, é o nome pelo qual foi chamada, na Bahia, uma seita afro-brasileira surgida no final do século XIX.
A história do nome do Cabula está diretamente ligada à forma como o bairro foi povoado. Ainda no século XVIII, a região onde hoje está situado o Cabula foi povoada por negros, principalmente de origem do Congo e da Angola, formando as primeiras comunidades da região.
Por ela passava os rios Pituaçu, Rio das Pedras, Rio Saboeiro, Rio Cachoeirinha, Rio São Marcos. Formavam a chamada Bacia de Pituaçu. Na verdade, existia um rio chamado Pernambués no local, que acabou nomeando toda a comunidade. Atualmente ainda há resquícios desse rio preservado no interior do 19 BC.

Vamos conhecer mais sobre o bairro de Pernambués

A origem do nome é indígena e o significado é “mar feito à parte” ou “tanque de água”. 
O Pernambués é mais um bairro que está localizado no território correspondente à área que foi o Quilombo do Cabula no século XIX, no miolo central de Salvador. Tem ligações com avenidas importantes da cidade. Na “esquina” dos dois bairros encontra-se uma unidade do Exército Brasileiro. Nas proximidades acha-se uma extraordinária área verde.
O lugar onde se encontra hoje o Pernambués abrigava várias chácaras e fazendas, as quais se formaram no Cabula em fins do século XIX e se desenvolveram durante toda a primeira metade do século XX. No caso do Pernambués traçaram uma avenida cruzando todo seu espaço. Até as décadas de 1940/1950 praticamente só existia o Cabula. Pernambués era pura mata.
Assim, entre as várias fazendas que tinha, existia uma bastante importante, produtora de laranja, chamada Santa Clara. No entanto, com a sua dissolução, em 1956, os quilombolas retomaram as terras e deram origem ao bairro.
A territorialidade recuperada em 1956 fez com que a comunidade fosse construindo uma estrutura social baseada numa dinâmica de organização africana, uma arquitetura de divisão do espaço que podemos dizer neo-quilombola. Ela se formou e ainda possuía uma ordem formal no desenvolvimento do bairro; e esse espírito quase perdido de coordenação pode se ver notado até hoje na formar como os líderes e associações comunitárias tentam organizar minimamente a comunidade. Porém, isso se desmantelou no início da década de 80, com a construção do Shopping Iguatemi e da Estação Rodoviária. 
População
De acordo com dados da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia –CONDER e o Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), em 2010.
São 65 mil habitantes. A população total do bairro é de 64.983 habitantes segundo o senso 2010, sendo que 47,43% são homens e 52,57% mulheres. No Percentual da população total residente por cor/raça, 15,97% se autodenominam brancos, (27,77%) preta, 1,35% amarela,54,69% pardos e 0,23% indígena.
Uma nova dinâmica social se formara com o “desenvolvimento” ocorrido na própria Cidade do Salvador. As obras que desde a década de 70 trouxe um grande contingente de pessoas do interior do estado para trabalharem nas construções, o que fez aumentar consideravelmente o número populacional da comunidade.

Atualmente, o bairro se encontra numa localização estratégica, próximo de três grandes shoppings, cresceu em todas as áreas: cultural, religiosa, independência, musical e educacional como é o caso do Grupo Alerta Pernambués-GAP, que vem transformando vidas. GAP foi criado por um grupo de moradores e amigos do Bairro de Pernambués, interessados em contribuir com as questões sociais do bairro. Nele são oferecidos cursos gratuitos para jovens, idosos e pré-adolescentes. 
Atualmente Pernambués é o bairro mais negro de Salvador, nasceu de uma antiga fazenda de laranjas, e hoje com mais de 60 anos, é considerado um quilombo urbano de crescimento constante.

Comentários

Outras Notícias

[Erro no Enem afetou mais de 30 mil candidatos, estima presidente do Inep]
Educação

Erro no Enem afetou mais de 30 mil candidatos, estima presidente do Inep

18 de Janeiro de 2020

O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Lopes, disse que até 30 mil candidatos podem ter sido afetados por uma falha na contabilização dos pontos da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)

[Lula quer candidato próprio em Salvador e em outras cidades]
Política

Lula quer candidato próprio em Salvador e em outras cidades

18 de Janeiro de 2020

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva Salienta ao novo diretório nacional do PT que o partido deve ter candidatos próprios no maior número possível de capitais

[Prefeitura e empresários enfrentam impasse sobre novo valor da tarifa de ônibus em Salvador]
Bahia

Prefeitura e empresários enfrentam impasse sobre novo valor da tarifa de ônibus em Salvador

18 de Janeiro de 2020

A Prefeitura de Salvador deverá divulgar nos próximos dias o novo valor da tarifa de ônibus

[Ministério da Cidadania inicia pagamento do Bolsa Família na segunda (20)]
Brasil

Ministério da Cidadania inicia pagamento do Bolsa Família na segunda (20)

18 de Janeiro de 2020

O pagamento do primeiro Bolsa Família do ano vai começar na segunda-feira (20)

[Estação da Lapa vai receber ação do Big Brother Brasil]
Bahia

Estação da Lapa vai receber ação do Big Brother Brasil

18 de Janeiro de 2020

A Rede Bahia vai levar ao público que passar pela Estação da Lapa um pouco da emoção dos participantes do Big Brother Brasil

[2020: feriados em dias úteis podem gerar prejuízo de quase R$ 20 bilhões ao comércio]
Bahia

2020: feriados em dias úteis podem gerar prejuízo de quase R$ 20 bilhões ao comércio

18 de Janeiro de 2020

À exceção das atividades econômicas ligadas ao turismo, o comércio nacional deve ter neste ano prejuízo de cerca de R$ 19,6 bilhões com os feriados que caem em dias úteis, 12% a mais que as perdas registradas em 2019, que ficaram em torno de R$ 17,4 bilhões